A Educação Infantil é importante? Porque a criança de zero a seis anos só faz brincar?

 

A educação infantil é a primeira etapa da educação básica. O investimento feito na criança de até 6 anos gera lucro para o país porque previne a reprovação e a evasão e resulta na formação de cidadãos mais éticos. Regina de Assis, relatora das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil nos afirma que toda criança que receber uma boa formação antes dos 6 anos dificilmente fracassará no Ensino Fundamental. Países e pais que cuidam da educação de suas crianças desde a sua idade mais tenra viabilizam seu futuro.

James Heckman, o Nobel de Economia, e Flávio Cunha (FGV), também nos brindam com suas mais recentes descobertas sobre a importância da educação na primeira infância. Elas demonstram que crianças que tiveram a oportunidade de freqüentar o equivalente a creches e pré-escolas apresentaram na idade adulta renda mais alta e probabilidades mais baixas de prisão, gravidez precoce ou dependência a programas de transferência de renda do Estado no futuro. Ou seja, acaba sendo mais produtivo, do ponto de vista social e fiscal, prevenir do que remediar, investindo desde a primeira infância. A educação nesta primeira fase da vida constitui o verdadeiro custo de oportunidade social – qual seja a oportunidade de investimento com maior retorno social disponível. E mais: quanto menor for a idade da criança objeto do investimento educacional recebido, mais alto será o retorno percebido.

Por muito tempo a educação infantil foi conduzida por ordens religiosas e tinha o caráter unicamente assistencialista, voltado para atender crianças “desassistidas” e/ou sem família. Com a Lei de Diretrizes e Bases e a elaboração do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil publicado pelo MEC/1998, podemos afirmar que fizemos progressos, mas ainda temos muito a conquistar.

A criança, nos primeiros anos de vida, necessita também, além de cuidados e de um ambiente de qualidade, de aprendizagens significativas para se desenvolverem integralmente e alcançarem suas potencialidades individuais.

Brincar é coisa séria! Brincar é a forma privilegiada de conhecer, compreender e explorar o mundo. Quando brincam as crianças estimulam os sentidos, aprendem a usar os músculos, coordenam o que vêem com o que fazem, adquirem domínio voluntário sobre seus corpos, direcionam seus pensamentos e lidam com suas emoções, adquirem novas habilidades, tornam-se proficientes na língua, exercitam a criatividade, exploram diferentes papéis e, ao dramatizar situações da vida real, aprendem a gerenciar a complexidade de seu papel histórico e a tomar decisões com confiança e auto-estima. Por isso mesmo, a brincadeira nesta idade deve ser baseada em intenções pedagógicas explícitas, as quais devem ser traduzidas em intervenções docentes sistematizadas e aferidas com competência profissional.

É hora das famílias, dos educadores e dos governos destamparem seus olhos e enxergar a educação infantil no papel que realmente lhe cabe, papel este de momento crucial na formação do filho, do educando e do cidadão.

Para finalizar deixamos uma reflexão de um pensamento africano citado numa publicação da UNICEF. “O mundo que temos hoje nas mãos não nos foi dado por nossos pais; na verdade, ele foi emprestado por nossos filhos.”

 

One Comment

  1. Acredito que quanto antes o ensino entra em prática, melhor.
    O estímulo ao bebê e a criança é essencial pro seu crescimento.
    Só assim eles se desenvolvem de forma correta e cheios de saúde.
    Por isso que os brinquedos educativos, por exemplo, são tão importantes.
    Adorei seu texto e muito obrigada pelas informações!
    Beijos, Laura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *